Neto, o general gaúcho dos extremos Sul do Brasil


Assista a algumas cenas do filme aqui.

Aconteceu em Portugal a estreia mundial do filme Netto e o Domador de Cavalos, de Tabajara Ruas, inserido na 9ª edição do Correntes d’Escrita, a decorrer na Póvoa do Varzim, desde quarta-feira.
Tabajara Ruas é escritor e jornalista. Escreveu e dirigiu diversos programas para televisão, assim como roteiros e argumentos para curtas e longas metragens. Talvez não esteja fresco na memória, mas colaborou em Kilas, o Mau da Fita, do realizador José Fonseca e Costa, um filme que fez furor no Portugal em trânsito da década de 70 para os anos 80, e se transformou numa referência incontornável da história do cinema nacional.

Este filme é o segundo da triologia dedicada a uma personagem histórica, lendária no Sul do Brasil. Nele, Tabajara Ruas recria a complexa personalidade do general Netto, protagonista central de dois episódios-chaves da história brasileira – a Revolução Farroupilha (1835-1845) e a Guerra do Paraguai (1861-1866) – comandando a sua cavalaria de gaúchos e lanceiros negros, erguendo a espada e empurrando uma tropa de 600 cavaleiros farrapos sobre o exército do caudilho bageense Silva Tavares na Batalha do Sinval – na fronteira ténue entre o Rio Grande do Sul e o Uruguai.

Apesar de só agora ter estreado nas salas, no seu espaço do Terra Magazine, Tabajara já vinha narrando a história. De forma muito interessante, veio contando a trama que se enreda a partir do encontro de três personagens – o General, o Negrinho, e ‘um certo’ Índio Torres – sob a forma de um folhetim online, em 16 capítulos, que publicava sempre às sexta-feiras. A 29 de Setembro do ano passado, apresentava nestes termos, a experiência que foi até à última sexta de Dezembro:

Esta aventura é também a narrativa de uma dessas revoltas. São três personagens principais: Netto, um soldado em busca de um exército. Dizem que ele existiu mesmo. O Negrinho, conhecido assim mesmo: o Negrinho. O melhor ginete da região, o cavaleiro mais hábil e mais elegante, um garoto de 15 anos que valia uma fortuna para seus senhores pelo dom que tinha de conhecer cavalos como ninguém. E o Índio Torres, um sujeito calado, solitário, que também possuía um dom fundamental para o lugar onde vivia: era um exímio domador de cavalos.

É a história desses três sujeitos que vamos acompanhar nos 16 capítulos desta aventura. O cenário é o extremo sul do Brasil, na fronteira com o Uruguai, um lugar desolado, deserto, verde e ventoso conhecido como Campos Neutrais.

A época: lá por 1835, véspera de uma grande guerra civil no sul do Brasil, a Guerra dos Farrapos. Convido, pois, as damas e os cavalheiros que me lêem a acompanhar as cavalgadas de Netto, do Negrinho e do Índio Torres pelas planícies do Sul. Acho que vocês vão se divertir. Acho, também, que no meio dessas correrias, talvez vocês encontrem um eco dos dias de hoje, nossos assombros de hoje, nossa impaciência, nosso desdém, nossas pequenas derrotas cotidianas. E essa coisa dura, inquebrável, que chamamos esperança. Boa leitura a todos.

» As cartas do domador – Último capítulo
» As cartas do domador – Capítulo 13
» As cartas do domador – Capítulo 12
» As cartas do domador – Capítulo 11
» As cartas do domador – Capítulo 10
» As cartas do domador – Capítulo 9
» As cartas do domador – Capítulo 8
» As cartas do domador – Capítulo 7
» As cartas do domador – Capítulo 6
» As cartas do domador – Capítulo 5
» As cartas do domador – Capítulo 4
» As cartas do domador – Capítulo 3
» As cartas do domador – Capítulo 2
» As cartas do domador – Capítulo 1
» Sobre as cartas do domador

 

Sobre o primeiro filme da triologia: aqui. Traillers aqui, aqui e aqui.

A transposição cinematográfica, em parceria com Beto Souza, partiu da obra homónima de Tabajara e valeu 4 Kikitos no Festival de Gramado 2001, entre eles o Prémio Especial do Júri.

O General Neto já tinha sido convertido em personagem de ecrã, outras vezes. Foi interpretado por Werner Schünemann no filme Netto Perde Sua Alma (2001) e depois em O General e o Negrinho (2006). Pelo meio, também Tarcísio Filho lhe vestiu a pele na minissérie “A Casa das Sete Mulheres” (2003), adaptado do romance por Maria Adelaide Amaral e Walter Negrão, e dirigida por Jayme Monjardim, para uma produção da Rede Globo que foi igualmente exibida em Portugal.Para quem perdeu ou tem vontade de rever, fica a Playlist de 74 vídeos da minissérie.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: